Qual a diferença entre aroma e buquê do vinho?

O aroma é o cheiro de um vinho e é também usado genericamente quando se discute o perfume de um vinho. O buquê é o aroma do vinho maduro e engloba as mutações físicas e químicas que ocorrem à medida que o vinho envelhece. Esses aromas são mais difíceis de serem descritos.

Os vinhos brancos frequentemente desenvolvem aroma e sabor de mel e com o tempo; os tintos ficam mais pastosos e ganham aromas e sabores profundos. É importante que aprenda a distinguir entre os dois, porque só assim vai estar habilitado a julgar a idade e a maturidade de um vinho pelo nariz.

Comece a anotar os cheiros que o circundam para sentir os aromas do morango, pêssego, do café moído, tostados, chocolate, abacaxi, frutas negras, ameixas, cerejas e etc. Quando estiver andando pela feira, comece a cheirar os alimentos, corte uma pimenta verde e registre o cheiro. O mesmo vale para as flores, folhas, grama cortada, maçã cozida ou crua. Registre o cheiro da fumaça de carvão, da lavanda, do papelão ou dos bosques.

Aromas de frutas e flores

Ao aromas de frutas, flores e vegetação, provém da variedade da uva usada no vinho, tanto no tinto quanto no branco. Podem ser a melhor maneira de descrever os aromas de um vinho, portanto, sempre que provar um vinho e achar que ele é frutado tente imaginar exatamente de quais frutas seriam os aromas.

Os vinhos também podem cheirar a flores, embora seja mais difícil determinar a flor. Um aroma de rosas é comum em vinhos brancos feitos com a uva gewurztraminer mas para a maioria dos vinhos, é mais comum uma vaga bem sutil impressão de flores primaveris.

O curioso é que o único cheiro de fruta que raramente se encontra em um vinho é o cheiro de uva. A exceção é o vinho feito da uva moscatel, que traz à nossa lembrança as frescas e cheirosas uvas de sobremesa.

Cheiro de Carvalho

A primeira coisa que você sente com vinhos que passam em barricas de carvalho são: os cheiros de baunilha, canela, cravo, manteiga nos chardonnay e torradas. Se o vinho foi envelhecido em barris de carvalho por longo período, poderá cheirar como pátio de madeireira, com o aroma da fruta dominado pelo cheiro do carvalho.

O aroma poderá ou não ressurgir à medida que o vinho envelhece. Mas os carvalhos de espécies diferentes emprestam diferentes aromas e sabores ao vinho: o carvalho americano dá um forte aroma de baunilha, ao passo que carvalho francês é mais sutil, o carvalho Alemão tem cheiro de especiarias e o português, achocolatado. Mas a maioria dos vinhateiros preferem os carvalhos francês e americano.

Refrescantes

Um aroma muito refrescante e limpo pode indicar que o vinho não foi envelhecido em barris de carvalho. Vários vinhateiros preferem guardar seus vinhos jovens em toneis de aço inoxidável até o engarrafamento, para preservar o frescor da juventude. Mesmo que o vinho tenha aroma fresco, é impossível determinar o nível de acidez ou te tanino só pelo cheiro, o modo mais eficiente de julgar a acidez é degustar o vinho.

Falta frutado – Um vinho que não cheira a frutas, subtende-se que o vinho ou é muito jovem, ou é muito velho e já perdeu completamente o aroma.
Pungente – Com aroma forte e ardido. O aroma do Sauvignon Blanc é frequentemente descrito como pugente.
Aromático – Refere-se a qualquer tipo de aroma forte e pronunciado. Quando sente no nariz o aroma particularmente florado.
Nariz potente – É um vinho muito forte com aromas exuberantes.

Fonte: Gastronomia e etc

Add um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Tel: (11) 99527-7839
Cel: (11) 97381-1017
Vila Madalena - SP
Rua Mourato Coelho, 1346